Vitórias Olímpicas!

pais-de-primeira-viagem-bebe-gravidez-rio-2016

Dica da mamãe: As conquistas olímpicas do bebê.

mamãe de primeira viagemA Bia está com nove meses e cada dia mais nossa rotina se parece com maratonas olímpicas!

Acordamos com tapinhas rítmicos (resultado da cama compartilhada) que depois emendam em corridas com obstáculos atrás do bebê (desviamos de brinquedos espalhados pela casa), depois temos arremesso de comida (ah… introdução alimentar), competição de natação na banheira (água pra todo lado), luta peso pesado da hora do ninar (cada vez mais difícil fazer essa pequena dormir), limpeza da casa sincronizada com a soneca do bebê… E assim vai um dia intenso de “esportes”.

Quando ela ainda era um recém-nascido eu queria tanto que ela engatinhasse logo pois achei que ia ser mais fácil… Haja falta de experiência!

Cada vez que ela vai se desenvolvendo, tudo fica mais intenso e o cansaço físico maior também, mas ao mesmo tempo, ela vai mostrando sua personalidade que é HILÁRIA e nosso amor cresce junto com ela.

As conquistas diárias dela como conseguir descer do sofá, jogar brinquedos dentro de caixas ou apontar o dedinho para o que deseja ver de perto, trazem a tona uma felicidade que é a maior recompensa de ser mãe.

Nunca imaginei que estes pequenos gestos fosse trazer tanta alegria!

E enquanto eu escrevia este post… Ela acaba de conseguir subir sozinha no sofá!! Mais uma medalha pra Bia!!!

contribua com o pipipum

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A nova fronteira

pais-de-primeira-viagem-bebe-gravidez-rococoDICA DO AMIGO REVISOR: A nova fronteira.

Quando o bebê começa a andar, a gente acha o máximo. E é tão de repente, né. Primeiro a criança me aparece com aqueles rolamentos de urso panda; em seguida, sai engatinhando pela casa como se tivesse rodinhas; por fim, quando menos se espera, já tá de pé, e ligeira, e cheia de curiosidade pra explorar os ambientes.

Quando compramos os móveis da casa, infelizmente não levamos em conta a Milena. Está tudo ao alcance dela: o rack com os videogames, as prateleiras de filmes e jogos, as estantes de livros e histórias em quadrinhos. Outro dia encontrei a página de um livro rasgada e me lembrei daquele pedacinho de papel que vi na mãozinha da guria semanas antes. Doeu, viu. A próxima etapa da exploração tem se desenrolado verticalmente, pro nosso desespero: a Milena vive tentando subir nos móveis. Já sobe e desce do sofá, das cadeiras, da cama… O alvo agora é o rack. E ela é perseverante, viu;

mesmo percebendo que não vai conseguir escalar o móvel, ela ergue a perninha ao máximo pra depois dar um tempo, na maior frustração. Mas, claro, quando a gente vai ver, tá lá a garota de novo. Os móveis na casa da vovó têm sido o alvo preferido da Milena: a mesinha de centro com tampa de vidro e o rack, que a minha sogra enche de bonecas pra impedir que a guria tente subir. Mas ela tenta, obviamente, e é aquele corre-corre pra tirar os porta-retratos do alcance dela, afastar o telefone, retirar os bibelôs, esconder os controles remotos… E a minha sogra às vezes diz pra Milena (na verdade, dizendo pra mim): “Milena, não sobe aí, seu pai vai ter que pagar o que você quebrar”, rs.

Eu ia dar uma dica, mas não tem dica. É ficar de olho no bebê e torcer pro prejuízo ser pequeno…

PS: Ainda não comprou o presente para o dia dos pais? Que tal uma caneca Pipipum?

contribua com o pipipum

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Brinquedos favoritos

action figure

Dica do Amigo Revisor: Herança divertida.

revisor amigo dos pais de primeira viagemOntem entrei numa loja de brinquedos pra ver as modas (pra Milena e pra mim, confesso). Fiquei assustado, e não foi só com os preços, não. Havia coisas bem legais (e caras à beça), mas, em geral, brincavam sozinhas ou eram, digamos, sexistas. Eu explico: havia um conjuntinho de pá, vassoura, balde e demais acessórios pra uma boa faxina, tudo em escala pra vocês aí, papais e mamães de meninas, já irem criando uma boa dona de casa. Lamentável. Não sei o que é pior: as armas de brinquedo ou essas mensagens subliminares de gênero pros nossos filhos.

Mas estou viajando. Voltando ao assunto, não posso reclamar dos brinquedos “que brincam sozinhos”. Não sou tão velho assim, pessoal, tive muita coisa que acendia luzinha, falava, andava e eu só precisava ficar ali, olhando, além de torcendo, claro, pra pilha demorar a acabar. Porque pra fazer meus pais comprarem pilha era um martírio. Curiosamente, esses brinquedos não “sobreviveram” para serem herdados pela Milena. A maioria eu quebrei, abrindo pra ver como funciona ou pra “montar” outros brinquedos, que, aliás, ficavam sempre bem legais.

Alguns, no entanto, guardei com carinho (como fiz com os meus livrinhos de criança, que eram do meu pai). Uns bonequinhos de que eu gostava muito, como um Playmobil que batizei de “Paulinho”, e um carrinho de plástico “tunado” com papelão e que eu chamava de DeLorean. Mas, curiosamente, depois de velho eu acabei adquirindo muita quinquilharia nerd que, gosto de pensar, a Milena vai adorar, como os capacetes do Darth Vader e as miniaturas da DC Comics (tenho caixas e caixas desses troços). Eu compro, admiro, boto na estante e viajo aqui na maionese, fantasiando como vai ser o dia em que eu entregar essas coisas pra Milena. E penso como foi o dia em que o meu pai desceu aquela caixa enorme de cima do armário e foi tirando tanta coisa legal pra mim que eu mal pude acreditar na minha sorte: era como se houvesse um tesouro ali o tempo todo só esperando eu crescer um pouquinho…

contribua com o pipipum

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

De volta a rotina

rotina com o bebe

Dica da mamãe: De volta a rotina

mamãe de primeira viagemCom um bebê de oito meses, já me sentia uma mãe de primeira viagem com bastante experiência. Criei uma rotina de ir a pracinha para Bia brincar, tinha hora de comer, sabia aonde todas as coisas se encontravam… Mas aí vem uma mudança de lar. Não é apenas uma mudança de ares, mas sim um recomeço de tudo. Pois temos que estabelecer uma nova rotina para o bebê e toda a família.

Essa mudança tem sido mais complicada do que esperava.

Percebi que a Bia ainda não se acostumou com o novo ambiente. Isso está se refletindo no seu sono que tem ficado bem irregular e também está afetando a introdução alimentar, pois ela não tem comido nada, apenas mamado. O cantinho de trocar fralda ainda não está pronto, então este momento virou uma guerra. Agora o que já era tranquilo, exige a presença de duas pessoas: uma para distrair e a outra para trocar.

Mas aos poucos as coisas vão se ajustando e vamos nos adaptando. O bom do local novo é que é mais espaçoso e a pracinha do bairro está cheia de bebês da idade da Bia, o que será melhor para ela interagir, além das mães serem super receptivas.

Com essa grande mudança para um apartamento mais baby friendly. Novas aventuras estão surgindo e com isso muitos Pipipum hilários estão vindo aí! Aguarde 😉

contribua com o pipipum

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Desenhos Animados

desenhos animados

Dica do papai: Animando a Bia

pai de primeira viagemUsar a Bia de desculpa para assistir a nossos desenhos animados favoritos é muito divertido.

Como sabem, somos ilustradores e nossas referências vão de desenhos animados do Studio Ghibli, histórias em quadrinhos da Marvel, passando por filmes do Francis Ford Coppola até a arte de Frida Kahlo.

Nossa casa é um mar dessas referências. Elas estão em toda parte: na almofada, no pôster da parede, nos bonecos da prateleira… E gostamos que a Bia cresça rodeada por esses elementos.

Essas nossas paixões servem de inspiração não só para criar o Pipipum nosso de cada dia como também para alimentar o universo lúdico e divertido das brincadeiras com a Bia.

Nós a fantasiamos para ir na casa dos nossos amigos; e misturamos princesas, super-heróis e bichinhos de pelúcia no meio de seus brinquedos, acreditando, assim, que ela será uma criança criativa como os pais!

A dica de hoje será uma lista das nossas animações favoritas (nossas, não da Bia, ainda). De repente a gente contagia vocês também, rs.

Meu Amigo Totoro (Hayao Miyazaki, 1988)
Mei é uma jovem que encontra uma pequena passagem em seu quintal, que a leva a um lendário espírito da floresta conhecido como Totoro. Sua mãe está no hospital, e seu pai divide o tempo entre dar aulas na faculdade e cuidar de sua mulher doente. Quando Mei tenta visitar a mãe por conta própria, se perde na floresta, e só o grande e fofo Totoro pode ajudar a menina a achar o caminho de volta para casa.

A Viagem de Chihiro (Hayao Miyazaki, 2001)
Chihiro é uma garota mimada e voluntariosa, que se vê numa situação infeliz quando seus pais anunciam a mudança para uma cidade do interior, obrigando-a a abandonar seus amigos e a escola que tanto gostava. Durante a viagem, eles se perdem e vão parar em outro mundo, o mundo dos deuses. Chihiro agora deverá amadurecer, se quiser salvar seus pais e voltar a ver seu mundo.

O Gigante de Ferro (Brad Bird,1999)
Nos anos 1950, vive no Maine o jovem Hogarth. Quando ele repentinamente encontra um gigantesco robô de origem desconhecida, logo um forte laço de amizade se forma entre os dois. Porém, assim que a existência do robô é revelada, um agente do governo logo parte em seu encalço, no intuito de destruí-lo.

O Mágico (Sylvain Chomet, 2010)
No final dos anos 1950, com o nascimento do rock & roll, o mundo do music hall tende a desaparecer. Um velho mágico considera-se um artista em vias de extinção e, por isso, abandona as salas de espetáculo parisienses para tentar a sua sorte em Londres. Porém, o cenário que encontra nessa cidade é, infelizmente, o mesmo. Entretanto, ele continua os seus espetáculos por teatros e bares, agora no Reino Unido. Até que um dia ele conhece uma jovem chamada Alice, num pub de uma vila escocesa, o que vai mudar a sua vida…

As Bicicletas de Belleville (Sylvain Chomet, 2003)
Champion (Michel Robin) é um menino solitário, que só sente alegria quando está em cima de uma bicicleta. Percebendo a aptidão do garoto, sua avó começa a incentivar seu treinamento, para fazê-lo um verdadeiro campeão e poder participar da Volta da França, principal competição ciclística do país. Porém, durante a disputa, Champion é sequestrado. Sua avó e seu cachorro Bruno partem então em sua busca, indo parar em uma megalópole localizada além do oceano, chamada Belleville.

O Menino e o Mundo (Alê Abreu, 2013)
Cuca é um menino que vive em um mundo distante, numa pequena aldeia no interior de seu mítico país. Certo dia, ele vê seu pai partir em busca de trabalho, embarcando em um trem rumo à desconhecida capital. As semanas que se seguem são de angústia e lembranças confusas. Até que, numa determinada noite, uma lufada de vento arromba a janela do quarto e carrega o menino para um lugar distante e mágico.

Up: Altas Aventuras (Pete Docter, 2009)
Carl Fredricksen (Edward Asner) é um vendedor de balões que, aos 78 anos, está prestes a perder a casa em que sempre viveu com sua esposa, a falecida Ellie. O terreno onde a casa fica localizada interessa a um empresário, que deseja construir no local um edifício. Após um incidente em que acerta um homem com sua bengala, Carl é considerado uma ameaça pública e forçado a ser internado em um asilo. Para evitar que istso aconteça, ele enche milhares de balões em sua casa, fazendo com que ela levante voo. O objetivo de Carl é viajar para uma floresta na América do Sul, um local onde ele e Ellie sempre desejaram morar. Só que, após o início da aventura, ele descobre que seu pior pesadelo embarcou junto: Russell (Jordan Nagai), um menino de 8 anos.

O Estranho Mundo de Jack (Henry Selick, 1993)
Jack Skellington (Chris Sarandon) é um ser fantástico que vive na Cidade do Halloween, um local cercado por criaturas fantásticas. Lá todos passam o ano organizando o Halloween do ano seguinte mas, após mais um Halloween, Jack se mostra cansado de fazer aquilo todos os anos. Assim ele deixa os limites da Cidade do Halloween e vagueia pela floresta. Por acaso acha alguns portais, sendo que cada um leva até um tipo de festividade. Jack acaba atravessando o portal do Natal, onde vê demonstrações do espírito natalino. Ao retornar para a Cidade do Halloween, sem ter compreendido o que viu, ele começa a convencer os cidadãos a sequestrarem o Papai Noel (Edward Ivory) e fazerem seu próprio Natal. Apesar de argumentos fortes de sua leal namorada Sally (Catherine O’Hara) contra o projeto, o Papai Noel é capturado. Mas os fatos mostrarão que Sally estava totalmente certa.

O Fantástico Sr. Raposo (Wes Anderson, 2009)
O Sr. Raposo e sua família vivem embaixo de uma árvore onde dividem o espaço com seus amigos e familiares. Para conseguir alimentar todo mundo, o Sr. Raposo toda noite rouba os fazendeiros das redondezas. Cansados disso, os três fazendeiros resolvem dar um fim no Sr. Raposo e na sua turma.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail